30 de agosto de 2012

Cabeça... dura (versão 1,5)

Parece que cresci! Sim, cresci de certeza, é a única explicação lógica para andar a bater com a cabeça. Hoje, de novo, ao sair do carro: pumba! Mais uma cabeçada no mesmo sítio. Tenho várias explicações para o facto: ou a minha cabeça não gosta de carros pretos e decide embirrar com eles (e, pronto, quem sofre sou eu!), ou o galo cresceu e agora impeça em tudo, ou (será de certo o mais lógico) cresci...
Espero que à segunda vez tenha sido de vez... não vamos entrar numa questão de ditados!
 
 
 

29 de agosto de 2012

Cabeça... dura

 
Hoje vim de boleia para o trabalho. Ao entrar no carro, dou uma bruta cabeçada na porta do carro. Acho que os óculos de sol se enterraram na cabeça. Bem, resultado, tenho um galo na cabeça e uma dor... ai, ui, ui... acho que a porta do carro deve estar amolgada, pela violência do caso... Será que amanhã ainda me vai doer a cabeça?
 
 

Coisas que gosto

 
Sair de casa de manhã, quase a fechar o portão, vem uma dos gémeos a correr escadas abaixo, acabadinho de acordar, ainda desgrenhado:
"-Mãe, quero-te dar um beijinho antes de ires. Não te vou ver o dia inteiro."
É tão bom. Estes momentos são maravilhosos.
 
 
 

25 de agosto de 2012

Safadinho

Olho para a máquina de lavar loiça e tem um creme branco espalhado por ela. Começo logo a perguntar quem fez aquilo e que se o pai visse que iria ralhar. Torno a perguntar: "- Quem fez isto?" O príncipe mais novo acusa-se, dizendo "- Fui eu.". Disse-lhe que não deveria fazer aquilo, que o pai ficaria chateado, ao que responde: " - Não fui eu! Foi o Diogo." Bem, tem cá um jeitinho para acusar os outros...

Birras, queixinhas, mais birras... quem aguenta?

O quotidiano cá em casa é repleto de: "mãe, ele fez-me isto", "mãe, ele disse isto". Repleto disto e daquilo, que levam uma pessoa à loucura. Mas não é uma vez, são milhares. Uns queixam-se mais que outros, mas acreditem que me deixam louca. Por mais que lhes digamos "não queremos ouvir mais queixinhas, nem queixumes", de nada vale, no segundo seguinte lá estão de novo "mãe, ele bateu-me". Aliás, eles nem são queixinhas (sim, dizem isto com um desplante ou certeza absoluta, nem sei...), segundo os próprios, só estão a dizer o que se passa... Haja coragem para passar esta fase. Uma fase composta por três elementos. Aqui para nós: que passe rápido.
Mas o pior, foi quando o príncipe mais novo, chateado por lhe estarem a mexer nos seus carros, se vira para o irmão mais velho e diz: "- Vou dizer à mãe." E, lá veio ele dizer... Mais um!! Socorro, não aguento.

Leitinho

Acordei à hora do costume. Pus-me a pé, mas ainda tinha sono. Tomei o pequeno-almoço, aqueci o leite no biberão ao príncipe mais novo e, de volta para a cama. Ele bebeu o leite todo. Adormeci eu e o príncipe continuava a dormir. Passado hora e meia, o meu marido deu-me um biberão para a mão cheio de leite. Disse-lhe que o príncipe já tinha bebido o leite, mas coloquei-lho na boca. Bebeu outro biberão de leite cheio. Este miúdo alimenta-se só à base de produtos lácteos.
 

22 de agosto de 2012

Chinelos


Os meus príncipes nunca foram muito dados a calçar chinelos, sejam de que tipo forem, por isso, compro sempre meias mais grossas e com piso para não escorregarem, para calçarem em casa. O príncipe mais novo é como os irmãos. Chinelos não são com ele. Comprei-lhe uns chinelos de enfiar no dedo, no início do verão, para ele andar lá em casa e ir brincar no quintal sem magoar os pés ou mesmo molhá-los. Mas para os calçar é uma luta. No meio da graxa, estilo "ficas tão lindo", "ó, que chinelinhos mais lindos", "olha igual à mãe e ao pai", lá os consigo calçar, mas passados 5 minutos anda ele atrás de mim a pedir (pedir, não! exigir.) que lhos tire... Já estou quase, quase a oferecer os chinelos.

Flores no Verão

Escondido entre arbustos e vasos descobri esta beleza no meu jardim.


As flores no verão não são muitas, mas dão alegria ao espaço.


 

Amoras


Se há coisa que gosto é de amoras. Os príncipes também gostam. O príncipe mais novo quando provou não gostou, mas agora está sempre pronto a comer amoras. Ontem, enquanto fui passear o Spike, apanhei algumas. Os príncipes comeram-nas num ápice. O mais novo ao deitar ainda tinha vestígios, a cara toda preta; nada que um toalhete não limpe.

21 de agosto de 2012

Quarto dos gémeos - evoluções

O quarto dos gémeos tem evoluído junto com o seu crescimento. Começou por ser um quarto para meninos pequeninos, depois quando foram para a escola primária, foram colocadas umas mesas para fazerem os trabalhos de casa e agora nova alteração adaptada já a jovens. Isto nem quererá dizer que eu e o meu marido adoramos alterar coisa lá em casa! Sim, é que adoramos mesmo.
Então o quarto dos gémeos começou por ser assim:





Depois, passou a ser assim:





Agora está assim:



Pinturas, montagem, ideias, tudo criado por mim e pelo meu marido.

20 de agosto de 2012

Arranjos de Verão #2

Fim-de-semana e mãos à obra. Continuaram as reviravoltas no quarto dos gémeos. Ainda faltam umas pinturas, mas está quase, quase...
Colocámos os móveis na parede. Agora parece mais uma quarto de adolescentes. O príncipe mais velho até já estava disposto a mudar de quarto.
Mas para colocar os móveis na parede foi uma aventura daquelas. Eu e o meu marido vimo-nos aflitos. Primeiro era o peso do móvel, sendo que a minha forcinha é quase nula, e portanto segurar no móvel foi uma tortura, ainda por cima, mais alto que eu... Depois foi o furar da parede, que no sítio em que se tinha que fazer os buracos era super, super dura. Horas de suor e esforço, mas cá está o resultado:






À volta





Volta a Portugal em Bicicleta passou por Vila Verde. Alteração de planos de última hora e perto da hora, lá nos colocámos nós junto à estrada, para também nós darmos aquele apoio.
Parece que dêmos sorte, ganhou um português a etapa, o primeiro português a ganhar uma etapa este ano.

Primeiro corte de cabelo


No sábado, decidi é o dia! O cabeleireiro não tinha ninguém, por isso, lá arrisquei ir à luta (choro e birra agendados), cortar finalmente o cabelo ao príncipe mais novo. Bem, surpresa das surpresas, nem uma lágrima, nem um ai, deixou pentear (algo que em casa é sempre acompanhado de choro), deixou cortar, e no final era vê-lo feliz com o seu novo corte. Até deu um beijinho à senhora que lhe cortou o cabelo.
Cá está o novo corte:



17 de agosto de 2012

Cortinas

 

E, cá estão as novas cortinas que fiz para o quarto dos gémeos. Acho que deixam o quarto mais aconchegado. Gastei no máximo em tecido 1,65€ (ficaram mesmo baratos), e ainda tenho muito mais tecido para usar. Haja imaginação!
Antes era assim:

16 de agosto de 2012

Cartas PoKémon


Os gémeos andam com a loucura das coisas sobre Pokémon, sendo os tazos e as cartas a sua  preferência. Ontem fizeram-me ir a 3 lojas do Chinês à procura de cartas. Felizmente, na 3ª loja encontraram.
O que me surpreende nos miúdos é o seu interesse pelas coisas. O tempo que lhe dedicam. Mas assim como nasce e cresce o interesse, também esmorece com a mesma velocidade. Como é possível num dia se gostar tanto de uma coisa e no dia seguinte não se querer saber nada, absolutamente nada, daquilo? O crescimento é feito destes processos.
Quantos mais dias andarão entusiasmados com as cartas Pokémon?!?

Arranjos de Verão

O verão lá em casa é o período ideal para fazermos pequenas obras, pequenos arranjos, pequenas alterações. Se há coisa que eu e o meu marido gostamos é disso.
Ontem, como o dia não estava muito famoso, colocámos mãos à obra. Ele pintou os tetos do wc, do corredor e da cozinha. Eu além de voltas e mais voltas com a roupa (o costume para quem tem 4 príncipes), andei a filtrar os brinquedos do quarto dos gémeos: alguns para o lixo, outros para guardar no sótão.
O quarto dos gémeos será o primeiro a sofrer alterações. Já têm uma nova mesa de trabalho,


um novo tapete (que baratinho ficou)


e novos cortinados (depois mostrarei) que fiz com um tecido comprado a um preço fantástico no Ikea (0,33€/m - comprei a peça).


Ainda há coisas a fazer, mas vamos consoante a disponibilidade de tempo. Vão ficar com um novo espaço.




Uma namorada


Os gémeos a conversarem sobre se deveriam no futuro ter namorada ou não. Creio que o balanço a favor de ter é bem positivo.
João: "- Quando for grande quero ter uma namorada, porque assim tenho mais dinheiro. Não é mãe? Quando se tem namorada tem-se mais dinheiro?" Leva um sorriso da minha parte e nem comento... Mas, a conversa continua.
Tiago: "- Eu quero ter uma namorada, porque só assim posso ter filhos. Os meus filhos vão ter muitos tios e primos... (orgulho e satisfação na sua cara)"
João: "- Primos? Como primos?" Explicámos que os filhos dele e dos irmãos serão primos dos filhos do Tiago. O rol de pontos positivos a favor da namorada continuam.
João: "- Eu quero uma namorada, porque terei quem me faça massagens nos pés, quem me faça tudo, quem me dê banho, quem me lave e passe a roupa,..." Mais uns quinhentos pontos positivos, para ele não fazer nada no futuro, quando adulto.
O Tiago também foi dando os seus acrescentos à conversa.
Terminaram com o João a dizer "- E terei quem me coce as costas... Tiago, podes-me coçar as costas?"
E, foram dormir...

Cadeiras renovadas



Já à algum tempo que temos duas cadeiras de realizador, mas que, com o sol e a passagem dos anos, o tecido se estragou e a madeira ficou feia.
Eu e o meu marido juntámos esforços e toca a dar nova vida às cadeiras. Ele lixou e envernizou. Eu tratei dos tecidos. Recentemente, trouxemos do Ikea uma peça de 25 metros de tecido, a um preço fantástico, a 0,33€ /m. Por isso, utilizei esse tecido para as cadeiras.
O resultado foi muito bom. Reaproveitámos as cadeiras, e cá estão elas de novo a embelezar as varandas. Servem perfeitamente para um momento de pausa e descontração.

15 de agosto de 2012

Cá está a ajuda



Vai ser uma ajuda preciosa para a família. Eu e o meu marido passámos horas a lavar loiça, agora sobrará mais tempo para outras coisas.

14 de agosto de 2012

Chuva no Verão


Hoje chove bem cá na cidade. Acredito que a continuar a chover assim vai haver cheias, o que não é estranho na cidade de Braga.
Mas o pior, dos piores, foi a molha que apanhei. Vim de sabrinas, mas a chuva é tanta, as sarjetas não escoam a água, que a minha viagem matinal de quase 30 minutos a pé tornou-se um pesadelo. As calças molhadas até ao joelho, as sabrinas ensopadas de água, a tentativa de passar em algum lado cuja água não fosse mais alta que os meus pés, fizeram a minha vontade de chegar ao trabalho crescer a cada passo. Isto para não falar, que tinha que mudar o guarda-chuva de mão a cada minuto, visto que as minhas mãos ficavam dormentes.
Bem, cá cheguei ao trabalho. Fui directa ao wc. Calças bem molhadas, a sorte é que está calor e até à hora de almoço devem secar. As sabrinas ainda as tentei enxugar com papel, mas em vão. Vão demorar a enxugar. Estou descalça, mas como não tenho que andar por aí, não há problemas.



13 de agosto de 2012

Há sonhos que se realizam


Quase, quase a tornar-se um sonho. Falta um pouquinho só...




Aspirador


No sábado fui comprar um novo aspirador. Nunca dei tanto dinheiro por um aspirador, por isso, espero que este me dure uma vida. De qualquer forma, ao ver os comentários sobre o aspirador na Proteste, fiquei satisfeita com a compra, esperando que esta se mantenha inalterável por muiiiiiiiiito tempo.

9 de agosto de 2012

Por Terras de Santa Maria

Lá fomos nós, mais um ano, a Santa Maria da Feira, à feira medieval.
Este ano fomos os 6. O príncipe mais novo de carrinho para não se cansar (que inveja), os outros com a sua pulseirinha, não se fossem perder e lá entrámos de novo em terras de Santa Maria.
 

Este ano acho que estava mais gente que nos anos anteriores. Mesmo assim vi gente conhecida, o que me impressiona sempre, com tanta gente ainda conseguimos ver alguém que conhecemos.





Tínhamos decidido que da próxima iríamos ver uma Liça, e lá fomos este ano ver a Liça. Os príncipes adoraram, mas para o príncipe mais novo foi o máximo. Ver os cavaleiros, os cavalos, as lutas com espadas... a sua imaginação deveria estar ao rubro. Nunca o tinha visto bater palmas por nada, e, ali estava ele a bater palminhas todo feliz e empolgado com o espectáculo.  Esteve bem atento do início ao fim.


Foi muito giro o espectáculo, uma risota pegada, nada de muito sério, bastante descontraído. Houve um momento, no entanto, muito sério, quando um cavalo deixou de colaborar e se dirigiu de costas para a bancada. Felizmente não ficámos na 1ª fila, por isso, não entrámos em stress.
Os príncipes mais velhos também gostaram da Liça e irão sempre de certo se lembrar que em 1190 e tal existiu em Portugal um rei que se chamava D. Sancho I. Estas coisas lúdicas têm também a sua parte de ensino.
 





Voltas, voltas e mais voltas. Andámos lá 7 horas, o que na realidade se passou num instante.
Por mais feiras medievais que vá, nenhuma, mas mesmo nenhuma, se aproxima de Santa Maria da Feira. Vale mesmo a pena visitar. Nada é feito ao acaso. Há sempre animação, pessoas trajadas à época, espectáculos, tudo. Até têm o cuidado de colocar uma zona com jogos da Idade Média, que os miúdos adoram, para as crianças. Nada é deixado ao acaso.
Quando estávamos para vir embora ia começar um espectáculo sobre as conquistas de D. Sancho I aos Mouros, e lá esperámos. O povo era mais que muito e pouco vi ou nada... Valeu-me uma dor de costas e uma dor nas pernas, porque fui pegando, ora num, ora noutro gémeo, ao colo para que conseguissem ver alguma coisa. Eles já não são propriamente penas e quase uma hora nisto, foi a machadada final...
Quando chegámos ao carro, que este ano ainda ficou mais longe, estava de rastos. Os príncipes adormeceram logo e eu vim toda a viagem a tentar manter a pestana aberta.