21 de julho de 2017

Passeio Diário do Spike #25#


Final de tarde. Os dias nota-se que já estão menores. A vontade do Spike é a mesma para passear, seja noite ou dia. Corre, corre e não é fácil o apanhar devidamente nas fotos. 



Esquecemos o Spike e tentamos as flores. Isto não está fácil e com uma máquina simples, com o vento a soprar, quando se dispara nada se apanha.


Passamos por um eucalipto digno de registo: 1 pé comum de onde partem 5 enormes troncos. Este quase não se move, ideal para fotografar. Mais à frente ainda há girassóis que nasceram por ali de forma espontânea. 




Estes passeios não servem só para o Spike, também são momentos relaxantes para nós. 


Há sonhos que se realizam #4


Tínhamos uma viagem marcada à muito: Piódão, mas sempre que tentávamos ir acontecia alguma coisa e tínhamos que adiar.


Mas no sábado, lá fomos. 3 horas e tal de viagem, montanhas e mais montanhas; miúdos a questionar se ainda falta muito, que já estão fartos de montanhas,... lá chegámos.
Bem, valeu bem a longa viagem, mas vale mesmo. Piódão é simplesmente lindo. Simplesmente, porque a sua simplicidade faz daquele espaço um lugar mágico. E, apaixonámo-nos por aquela pequena terra. 

Subimos e descemos ruas, subimos e descemos escadas. As pequenas vielas de xisto não deixam ninguém indiferente. No meio da aldeia o calor não se sente tanto. As casas, as ruas são lindas. 











Um pequeno canito dormitava numa sombra. Nem se mexeu na nossa passagem. Mais tarde descobrimo-lo noutro local, próximo do dono talvez, onde o Afonso aproveitou para lhe fazer festas.



A hora ia avançando, o calor também. Descemos até à piscina natural, talvez com a ideia de tomar um banho, especialmente os miúdos, mas começámos por sentir a água. Água gélida, mesmo de montanha, só os pés resistiam, mesmo assim tínhamos que os retirar aos poucos para fora de água. Acho que não havia gelo por acaso... Uma praia natural, com nadadores salvadores e tudo (2), mas onde só os mais corajosos se atrevem a molhar o corpo.


Depois de estarmos bem frescos, bastou molhar os pés, continuámos a nossa aventura por Piódão. Subimos de novo à aldeia, com o objetivo de chegar à praça central, onde se encontra a maior parte do comércio e a igreja.


Passámos por acaso pela pequena loja do sr. Lourenço. Cá fora tem uma banca com imans, casinhas, cestos e alguma fruta apelando à visita na sua loja. Parámos para comprar alguma coisa. O príncipe mais velho adora figos, ali estavam grandes figos, escolheu-os cuidadosamente mas acabaram por ficar, sem que déssemos conta. Que pena, tinham tão bom aspeto.



Já no centro fomos ao Solar dos Pachecos. E, depois aproveitámos que a igreja estava aberta para visitar.




Piódão foi uma agradável surpresa. Voltaremos com mais tempo para desfrutar daquela serenidade, daquela beleza, daquele ambiente. Em cada esquina algo nos surpreende.







Ali comemos as primeiras amoras este ano.


Só tenho pena que seja tão longe... Até os príncipes gostaram daquela aldeia. Sem dúvida uma das aldeias mais bonitas de Portugal.


20 de julho de 2017

Odeio mesmo

[Foto: Sara Girassol]


Odeio que ao telefone, no decorrer de uma chamada, me digam:


"ó minha senhora, ..."


Não suporto! Alteram logo a calma que há em mim! Viro...

19 de julho de 2017

Mini em ação

Fim da escola, temos o ATL. No caso do Mini é no mesmo espaço físico, mas de qualquer forma dizemos que o levamos para o ATL, porque está de férias, e não para a escola.
De manhã não lhe apetece muito ir, mas ao final do dia está sempre feliz, e isso é o que realmente importa. 






Há sonhos que se realizam #3


No passado sábado, após vários adiamentos, conseguimos finalmente ir a Piódão. 
Piódão é lindo, simplesmente lindo, mas ainda não vou falar agora da nossa visita...
Estávamos a comer qualquer coisa, com vista para a aldeia, quando aparece um passarinho e se coloca sobre uma grade. Chamei a atenção aos príncipes e disse-lhe para não fazerem barulho, nem se aproximarem muito do pássaro. Estava a comer uma empada e atirei um bocado para perto do passarinho. Ele não se assustou, simplesmente voou para o chão, pegou no pedaço e foi-se embora. Os príncipes adoraram ver aquilo.

Workshop


Tão pequeno, só com 3 anos, mas o Mini já participou num workshop. Será que isto já conta para o Curriculum?!

18 de julho de 2017

Há sonhos que se realizam #2


Bem, não bastou a descrição que uma simpática senhora fez dos licores. De qualquer forma agradeço a uma desconhecida a vontade que nos fez ter de provar, mas que ficou tão longe da realidade que nos esperava. 
Em Piódão (sim fomos a Piódão no sábado) entrámos na loja (Solar dos Pachecos), experimentámos um licor: licor de flor de sabugueiro. Fresquinho... mas que sensação, aquela sensação de termos descoberto o éden, o licor dos licores. Como é possível que não o tenhamos experimentado nunca!? Nem sei explicar, eu e o meu marido ficámos apaixonados por aquele aroma, aquele paladar. Experimentámos outro: licor de mirtilos. Não como o anterior, mas também bom. Depois mais um dedal de licor de castanha. Mais um excelente sabor. Quem foram os Deuses que inventaram estes licores? Sabores dos Deuses só podíamos trazer para casa, e assim o fizemos.

17 de julho de 2017

Há sonhos que se realizam #1


O sábado foi dia para realizar sonhos. Eu e o maridão realizámos um, mas por mais 20 minutos de viagem, decidimos também realizar o sonho do príncipe mais velho. Fomos a Tondela mostrar-lhe o estádio da equipa que ele tanto admira.



Podiam bem ser fotos do novo reforço do Tondela, mas são só fotos de um adepto.

E, que feliz ele estava...